domingo, fevereiro 26, 2012

# 082

"
Não digas onde acaba o dia.
Onde começa a noite.
Não fales palavras vãs.
As palavras do mundo.
Não digas onde começa a Terra,
Onde termina o céu
Não digas até onde és tu.
Não digas desde onde és Deus.
Não fales palavras vãs.
Desfaze-te da vaidade triste de falar.
Pensa, completamente silencioso,
Até a glória de ficar silencioso,
Sem pensar.

"
Cecília Meireles
em Cânticos

3 comentários:

tereza ruiz disse...

eu cheguei aqui nessa madrugada pensando o silêncio, com a ressaca das palavras, infelizmente não pouco recorrente. e vim vagando esperando uma atualização, e dei nesse texto, acredita? eu sei que sim. :) foi bom.

tereza ruiz disse...

eu cheguei aqui nessa madrugada pensando o silêncio, com a ressaca das palavras, infelizmente não pouco recorrente. e vim vagando esperando uma atualização, e dei nesse texto, acredita? eu sei que sim. :) foi bom.

Roney Freitas disse...

acredito ;)
- as palavras são tantas sempre, se duplicam sem ordem (basta um minuto, já dobram).
mas na dobra do tempo há um silêncio, fugido de cálculos, o tempo de um suspiro.
é como chegar num lago. é bom.